Booking.com

 
 
 

Férias em Marrakech

Marraquexe

Os costumes religiosos exercem atualmente um enorme fascínio nos visitantes que se aventuram no exótico mundo árabe.

Marrakech, a “Pérola do Sul” é uma metrópole, na qual a cultura árabe reflete a estreita ligação entre a atividade comercial e a religião.

 

Fundada em 1062 pelo sultão almorávida Yassef ben Tachfin e, posteriormente influenciada pela chegada da dinastia Saadi, Marrakech, a velha capital imperial do Sul de Marrocos mantém uma sedução secular envolvendo as ruas e os típicos mercados.

 

Como Chegar a Marraquexe:

Aeroportos em Destaque

Aeroporto Marrakech-Menara (RAK)

 

Onde ficar em Marraquexe:

Marraquexe / Férias em Marraquexe

Marraquexe

A melhor seleção de Hotéis com desconto e promoções de Férias em Marraquexe, Marrocos

As melhores promoções de Férias em Marrocos

 

O que fazer em Marraquexe:

 

Excursões e actividades em Marraquexe!

O coração de Marrakech é a Praça Jemaa El Fna, centro de toda a atividade e é deste local que se espalha o grande mercado central, o souk, que se perde por um emaranhado de ruelas perfumadas pelos aromas das especiarias e pelas frutas secas, passando pelos tapetes, cristais e finas joias.

 

Próximo á Praça Jemaa El Fna encontra-se aquela que é considerada uma das maiores mesquitas do mundo, a Mesquita Koutoubia, erguida para assinalar a vitória sobre os Almorávidas. Obedecendo aos cânones da arquitetura almóada (a altura é cinco vezes maior do que a largura), o seu minarete, uma verdadeira obra-prima da arquitetura islâmica, é o marco de Marrakech e apenas os muçulmanos podem admirar o seu interior e área envolvente.

 

Ainda inerente à época almorávida, o Palácio El Badi, apesar de estar em ruínas, foi considerado como um dos mais belos monumentos do mundo pela sua decoração em mármore importada de Itália, bem como outros materiais preciosos vindo da India.

 

Os túmulos saadianos, relativamente bem conservados, constituem um dos melhores testemunhos da dinastia Saadi e, por esse mesmo motivo, um dos principais locais de visita de Marrakech. Negligenciados por mais de dois séculos, o estilo dos túmulos saadianos ostentam a mesma magnificência arquitetónica que dedicavam a outros edifícios de carácter não religioso.

 

Próximo dos túmulos saadianos encontra-se o Palácio Dar Si Said, convertido num museu em 1932. Dar Si Said acolhe uma notável coleção de tapetes e joias do Alto Atlas assim como a cerâmica de Safi e Tamegroute.

 

A não perder em Marraquexe:

 

Djemaa el Fna (Lugar dos Mortos)

Djemaa el Fna, ou Lugar dos Mortos, uma enorme extensão aberta no centro da medina de Marrakech, é um dos grandes pontos de encontro do mundo. Fornecedores encontram comerciantes, comerciantes encontram viajantes, viajantes encontram artistas e suas serpentes. E o passado encontra o presente, com contadores de histórias que exercem uma tradição de séculos de idade, mantendo seus ouvintes fascinados com contos a altura. A praça funciona como um mercado ao ar livre, auditório, restaurante e teatro, bem como o ponto de partida ou de chegada para a exploração de Marrakech.

Para obter uma visão geral, vá para um dos terraços dos cafés que circundam o espaço. O preço do seu café vai lhe comprar um descanso do movimento lá em baixo e uma vista sensacional do mercado, da Mesquita Koutobia e das Montanhas Atlas. E quando o sol se pôr, você não vai querer estar em nenhum outro lugar.

 

 

 

Souks de Marrakech

Os souks (mercados cobertos) de Marrakech formam o desconcertante sub-consciente da cidade, uma vasta rede de becos perfurados pelos raios de sol. Cada souk tem uma especialidade diferente, seja tapetes, artigos de couro, especiarias, metais ou vestuário. Pechinchar é obrigatório; o primeiro preço que o comerciante menciona é normalmente um múltiplo exagerado do que eles realmente esperam. Falar francês pode ser útil, mas o dinheiro fala mais alto e os comerciantes normalmente conseguem se expressar em Inglês.

As estratégias de vendas variam de simples gritos a elaboradas apresentações acompanhadas de um chá fumegante. Se você não se importar de extrapolar o limite de bagagem, vai encontrar aqui uma das maiores variedades de tapetes do mundo, enquanto outras sugestões de presentes portáteis incluem jogos de chá, chinelos de couro, lanternas de bronze, travessas, jogos de xadrez e cestas.

 

 

 

Túmulos Saadianos

A dinastia Saadi, que dominou a maior parte do Marrocos nos séculos 16 e 17, está intimamente identificada com Marrakech, e cerca de 60 membros da família governante agora são residentes permanentes. Supondo que sua reverência por sultões marroquinos mortos há muito tempo seja limitada, o principal motivo para visitar os túmulos Saadianos é o excepcional trabalho decorativo das construções que os abrigam. Impressionantes mosaicos geométricos, pedras minuciosamente trabalhadas e pátios serenos evocam comparações com Alhambra.

Os túmulos mais importantes estão dispostos em três salas, incluindo o magnífico Hall de Doze Colunas, com os notáveis de classificação mais baixa enterrados no jardim. O local foi fechado em torno da mesma época em que o Palácio El Badi foi destruído e só foi redescoberto em 1917. A restauração fiel garante que esta joia da arquitetura marroquina continue encantadora, e permaneça sendo um dos lugares mais visitados em Marrakech.

 

 

 

Monte Toubkal

Quando você pensa do Saara, na África do Norte, ou nas ensolaradas planícies marroquinas, coisas como neve e gelo geralmente não fazem parte do cenário. Mas ao escalar o Monte Toubkal, as condições climáticas podem mudar rapidamente do quente para o gelado. Elevando-se mais de 4 mil metros acima do nível do mar, o Monte Toubkhal não é apenas a mais alta montanha na região central do Marrocos, mas também a mais alta na região do Atlas e em toda a África do Norte. Uma trilha é acessível durante o ano inteiro para caminhantes de diferentes níveis de habilidade, mais um longo e íngreme passeio do que uma escalada técnica.

Os tours começam na cidade de Imlil, cerca de uma hora ao sul de Marrakech, onde as temperaturas ainda podem ser incrivelmente quentes, apesar de estar na encosta. Ao final do primeiro dia de caminhada, no entanto, você chega na altura do Toukbal Refuge, a quase 3 mil metros de altitude, onde o ar fica mais fresco e o calor se dissipa.

 

 

 

Vale Oukaimeden

As majestosas paisagens do Vale Oukaimeden estão entre as mais visitadas das montanhas do Alto Atlas e, junto com os vales Ourika e Asni, são uma opção popular para um dia de viagem a partir de Marrakech. Um desfiladeiro exuberante esculpindo o seu caminho através de um cenário de picos irregulares, o Oukaimeden é surpreendentemente belo, e também possui um rico patrimônio cultural, pontilhado com aldeias berberes tradicionais e sítios pré-históricos de arte rupestre.

Durante os meses de inverno, as encostas do Oukaimeden também são um famoso destino para esquiar, abrigando o maior teleférico da África e com uma seleção de pistas para todos os níveis, incluindo algumas vermelhas e pretas de arrepiar os cabelos.

 

 

 

Cascatas de Ouzoud

Localizadas perto da aldeia de Tanaghmeilt, nas montanhas do Alto Atlas, as cascatas Ouzoud são as maiores quedas d'água do Marrocos, caindo 110 metros através de um desfiladeiro dramático de pedras vermelhas do Rio El Abid. Recebendo o seu nome dos olivais que cobrem o vale ('Ouzoud' significa oliva), o topo das cascatas ainda é pontilhado com uma série de moinhos de água históricos, alguns dos quais permancem em uso, extraindo azeite das culturas circundantes.

Uma viagem de um dia popular saindo de Marrakech, as cascatas em três camadas proporcionam um cenário magnífico para caminhadas ou piqueniques, cercadas por uma rica vegetação e árvores cheias de macacos. Desça os degraus de pedra para o desfiladeiro e você ainda pode desfrutar da piscina sob as quedas, fazer uma viagem cênica de barco ao longo do rio, ou explorar as cavernas naturais esculpidas no rochedo.

 

 

 

La Palmeraie

A uma rápida corrida de táxi da movimentada Djeema el Fna, La Palmeraie oferece um refúgio tranquilo dos animados souks e das ruas caóticas da antiga Medina, e o bairro mais afluente de Marrakech tem sido frequentemente apelidado de "Beverly Hills de Marrakech. Um oásis tranquilo e ensolarado de vias alinhadas por palmeiras e laranjeiras, jardins de rosas cuidadosamente mantidos e vastas piscinas, La Palmeraie é o lar de muitos dos mais extravagantes hotéis resort e luxuosas villas privadas da cidade.

Ainda que você não possa se dar ao luxo de ficar no La Palmeraie, o distrito cênico é uma escapada tranquila do centro de Marrakech, e o espaço de 12 mil hectares de palmeiras oferece sombras perfeitas para atividades de lazer. Caminhadas, passeios de bicicleta, de cavalo e de camelo são atividades populares por aqui, e também tem um campo de golfe que oferece belas vistas para as villas.

 

 

 

Montanhas Atlas

Alastrando-se ao longo da fronteira com o Sahara, as poderosas Montanhas Atlas do Marrocos ocupam todo o caminho desde a costa do Atlântico até as Montanhas de Rif, no norte, separando as cidades do deserto.

Cobertas de neve durante os meses de inverno, e de flores silvestres no verão, os platôs rochosos e vales exuberantes da cordilheira oferecem um cenário impressionante para caminhadas e trilhas de bicicleta de cidades como Marrakech, Fez e Agadir.

O terreno montanhoso e acidentado é também o lar de remanescentes tribos berberes do Marrocos, e visitar as tradicionais aldeias construídas em barro e espalhadas ao longo das montanhas tornou-se uma programação popular para os turistas, proporcionando a oportunidade de conhecer a vida e a cultura únicas dos berberes.

 

 

 

Planalto de Kik

As terras altas acidentadas do Planalto de Kik são um destino popular para caminhadas nas montanhas do Alto Atlas, com inúmeras trilhas que começam nas aldeias berberes ali perto, como Asni, Moulay Brahim e Ourigane, e é facilmente acessível de Marrakech.

Reconhecido pela sua topografia única de calcário, o planalto é um local pitoresco, coberto com flores silvestres alpinas e campos de trigo, e com magníficas vistas sobre os picos ao redor, incluindo o Monte Toubkal, o pico mais alto da África do Norte.

 

 

 

Medina de Marrakech

Marrakech, uma vez o mais poderoso centro comercial e político do mundo árabe, foi fundada em 1062 pelo chefe berbere Abu Bakr ibn Umar, como a capital dos ortodoxos e muçulmanos do Império Almorávida. Repleta de ornamentados monumentos construídos principalmente entre os séculos 12 e 16, uma visita a sua medina, ou cidade velha, é como um passeio por um museu ao ar livre fortificado. A medina foi listada como Patrimônio Mundial em 1985.

Cercada por paredes e enormes portões, a medina contém um enorme pátio central chamado de Jemaa el-Fnaa, um centro de comércio e reuniões públicas desde o início da história do Marrocos. A medina é também o lar de uma série de jardins deslumbrantes, incluindo o Jardim Majorelle, situado ao lado do Museu de Arte Islâmica, e apresentando plantas coletadas dos cinco continentes.

O Palácio Real e o Palácio Badi ficam lado a lado, mas infelizmente não são abertos ao público.

 

 

 

Mesquita e Minarete de Koutoubia

Construída no século 12, a Mesquita Koutoubia não só é a maior em Marrakech, mas também uma das estruturas mais influentes do mundo muçulmano. Em toda a Espanha e além você encontra réplicas de seu detalhado trabalho geométrico em pedra, arcos graciosos e imponente minarete quadrado.

Esta última característica, à noite, com iluminação artificial, é um ponto de referência bastante necessário ao explorar o emaranhado de ruas e becos que compõem a medina. Com 61 metros de altura, o Minarete apresentava uma subida considerável para as cinco orações diárias em tempos pré-elevador, então uma rampa em espiral foi instalada para o almuaden montar a cavalo até o topo.

 

 

 

Essaouira

Conquistando o seu lugar nos guias turísticos na década de 60, quando músicos famosos como Jimi Hendrix, Mick Jagger, Frank Zappa e Cat Stevens desceram as suas margens, a tranquila cidade praiana de Essaouira pode estar longe do seu apogeu hippie, mas a sua atmosfera descontraída ainda atrai muitos mochileiros e turistas curiosos.

Debruçada sobre a costa atlântica entre Casablanca e Agadir, este porto de pesca e cidade costeira mantém um estilo distintamente europeu, com sua arquitetura azul e branca brilhante, porto movimentado e feirinhas estabelecidas dentro das suas muralhas intactas do século 18. Atualmente, seus fortes ventos costeiros a tornaram um lugar muito frequentado por surfistas, mas a cidade é também um animado centro artístico, repleto de galerias de arte, barracas de artesanato, cafés, bares e restaurantes com música ao vivo à beira-mar. Programe a sua visita durante um dos muitos festivais anuais da cidade para vê-la em sua plenitude.

 

 

 

Jardim Majorelle

O Jardim Majorelle é um dos lugares mais mágicos em uma cidade onde não falta encantamento. Seu fundador, o pintor francês Jacques Majorelle, se apaixonou por Marrakech no início do século 20, e depois de desenvolver este encantador oásis, o abriu ao público em 1947. Além da enorme variedade de plantas exóticas, incluindo suculentas raras e palmeiras imponentes, a característica mais distintiva é o tom de azul intenso, quase psicodélico, usado no prédios e nas paredes do jardim.

O jardim caiu em desuso e em 1980 foi comprado e restaurado pelo falecido estilista Yves Saint Laurent e seu parceiro, Pierre Bergé. Ele agora também abriga o Museu de Arte Islâmica, que contém exposições que pertenciam a ambos Saint Laurent e ao próprio Majorelle.

 

 

 

Ouarzazate

Com sua localização estratégica, na base das montanhas do Alto Atlas e na borda das vastas areias sarianas, Ouarzazate tornou-se um dos destinos turísticos mais importantes do Marrocos, popular entre os nativos e turistas. Há tempos conhecida como a 'Porta do Deserto', Ouarzazate é um popular ponto de partida para passeios de camelo e acampamentos no Vale do Draa e deserto do Saara circundante, bem como passeios pela famosa cidade de Aït Benhaddou listada como Patrimônio Mundial pela UNESCO, e excursões de caminhadas para as montanhas.

Ouarzazate também é o coração da indústria cinematográfica do Marrocos, com as cidades construídas de lama da região e os Kasbahs oferecendo paisagens dramáticas para vários clássicos das telonas. Lawrence da Arábia, A Múmia e Gladiador foram todos filmados na área, bem como cenas do Game of Thrones, da HBO, conferindo à cidade o apelido carinhoso de 'Ouallywood'.

 

 

 

Palácio Bahia

A coroa de glória entre os inúmeros palácios de Marrakech, até mesmo o nome do requintado Palácio Bahia está de acordo com a sua grandeza - 'Bahia' significa "brilho". Localizado perto da medina, no extremo norte do Mellah, ou bairro judeu, o Palácio Bahia já foi a residência de Si Ahmed ben Musa (ou Bou-Ahmed), o grão-vizir de Marrakech, que notoriamente viveu aqui com suas quatro esposas, 24 concubinas e muitos filhos.

O Palácio, uma combinação de estilos arquitetônicos islâmicos e marroquinos, é uma das atrações mais visitadas da cidade, uma obra-prima ricamente decorada que foi destinada a se tornar "o maior palácio de todos os tempos'. Apesar de, mais recentemente, estar um pouco aquém das suas aspirações, os elementos do design elaborado são requintados. A decoração deslumbrante do piso ao teto levou 7 anos para ser concluída, e incluem intrincados mosaicos, tetos de madeira embutidos, estuques moldados e acabamentos dourados.

 

 

 

Vale de Ourika

Situado na base das poderosas montanhas do Alto Atlas, o Vale de Ourika é uma viagem de um dia popular saindo de Marrakech, a apenas a 30 km do centro da cidade. Uma expansão exuberante de campos e encostas arborizadas, o vale oferece um cenário pitoresco para excursões de caminhadas, com as vistas das suas colinas verdejantes contra a rocha vermelha das montanhas. No coração do vale ficam as dramáticas quedas Setti Fatma, uma série de 7 cachoeiras em cascata que correm para o Rio Ourika e atraem os viajantes aventureiros.

Situado em cerca de 1.300 metros, Ourika não só oferece uma pausa relaxante do calor do verão de Marrakech, mas é uma popular base para acampamentos de turistas que visitam a estância de esqui de Oukaimeden no inverno. Para a maioria dos visitantes, porém, a atração principal da área são os seus tradicionais assentamentos berberes, e as encostas do vale são pontilhadas com casas construídas de barro vermelho, parecendo camufladas na paisagem.

 

 

 

Lago Takerkoust

Com suas águas azuis profundas contra uma paisagem de planícies desertas deslumbrantes e as Montanhas Atlas à distância, é fácil de entender o apelo do Lago Takerkoust, tão diferente dos caóticos souks e movimentadas medinas de Marrakech, ali perto. Uma barragem artificial construída pelos franceses no final de 1920 para fornecer água e eletricidade para Marrakech, o Takerkoust hoje é uma importante área de lazer, atraindo muitos nativos e turistas durante os meses de verão.

Não é permitido nadar no lago (embora muitos nativos o façam), mas esportes aquáticos, como jet ski, wake-boarding e passeios de caiaque se tornaram atividades populares, e muitos visitantes trazem um piquenique para aproveitar no local. O verdadeiro destaque é a vista do deserto e das montanhas circundantes, e a beira do lago oferece um cenário ideal para caminhadas e passeios de bicicleta, bem como excursões a cavalo ou camelo.

 

 

 

Deserto do Saara

De atravessar as dunas em um camelo ou seguir antigas rotas comerciais de Saara, até dormir sob as estrelas em um tradicional acampamento beduíno para depois acordar de madrugada e ver o nascer do sol ao longo das planícies desérticas; visitar o deserto do Saara provavelmente vai satisfazer alguns itens da sua lista de desejos. Passeios de vários dias saindo de Marrakech são a forma mais popular para experimentar o deserto, e a maioria das viagens passa pela cidade de Merzouga, antes de seguir para as dunas de Erg Chebbi Erg ou Chigaga.

Com áreas aparentemente intermináveis de terreno agreste, existem também várias oportunidades de ir além do convencional e desfrutar de caminhadas mais longas através do deserto, mas não tente ir sozinho - o clima escaldante, as tempestades de areia e as vastas planícies desabitadas tornam enfrentar o deserto uma tarefa difícil e somente recomendada na companhia de guias experientes.

 

 

 

Ait Benhaddou

Lar de algumas das mais bem preservadas Kasbahs de Marrocos, a cidade Patrimônio Mundial da UNESCO de Aït Benhaddou já ocupou uma posição de destaque na rota de comércio trans-saariano e é agora uma das tradições mais famosas do país. Esculpidas com tijolos de barro tradiconais, a cidade tem uma vista impressionante, repousando no topo das montanhas do Alto Atlas e fortificada por muros de pisé vermelho escuro.

O destaque da cidade é a Telouet Kasbah, que costumava ser uma casa luxuosa do século XX do notório Thami el Glaoui, “Senhor do Atlas”, que era ao mesmo tempo um paxá de Marrakech e o chefe da tribo Berber Glaoua e também famoso pela conspiração de derrubar Sultan Mohammed V. Desde sua morte em 1956, Aït Benhaddou tem caído em ruínas, mas os vestígios de sua antiga glória permanecem em suas construções impecavelmente restauradas, no magnífico topo da colina Granary e no elaborado Mausoléu de Benhaddou.

 

 

 

Museu da Fotografia (Maison de la Photographie)

Obtenha uma excelente perspectiva visual do Marrocos visitando este pequeno museu lotado de fotos escondido em uma pequena rua na Medina de Marrakech, ou bairro antigo da cidade. Instalado em um antigo fondouk - prédio para abrigar mercadores e viajantes -, a coleção do museu de imagens destaca a vida no Marrocos ao longo de cerca de 100 anos, desde a década de 1870 até 1950.

Não são apenas fotos que estão em exposição: você também pratos decorativos, postais e documentários, incluindo o primeiro filme colorido feito nas Montanhas do Atlas. As imagens coletivas - das quais o museu possui milhares - ilustra de forma instigante a cultura e a história do país, especialmente no que se refere ao seu povo bérbere. Um local relativamente pequeno, o Museu de Fotografia abrange vários andares, e conta com um terraço no último. É lá que os visitantes são recompensados com vistas deslumbrantes de Marrakech até as Montanhas do Atlas mais além.

 

 

 

Jardins de Menara

Um dos grandes marcos distintivos de Marrakech, os Jardins de Menara são agrupados em torno de um reservatório que já fez parte de um sistema de irrigação. Eles datam do século 12, com o pavilhão de teto verde sendo acrescentado quatro séculos mais tarde e, ocasionalmente, sendo utilizados como residência real de verão desde então. Esta estrutura modesta, mas perfeitamente proporcional, é melhor visualizada a partir da extremidade oposta do reservatório, refletida nas águas imóveis e com as majestosas Montanhas do Atlas, cobertas de neve, como pano de fundo.

Oliveiras, árvores de citrinos, palmeiras e outras plantas oferecem sombra do sol ardente. Aqui, a agitação dos souks parece estar em outro mundo, e os jardins atraem muitos moradores e turistas, especialmente para o pôr do sol.

 

 

 

Museu de Marrakech

O museu mais importante de Marrakech encontra-se num palácio do século 19 inspirado em outras glórias arquitetônicas, todo centrado em um pátio de estilo andaluz. A forma atual do museu é em grande parte devido ao patrono Omar Benjelloun, que trabalhou pesado para promover o interesse na herança cultural do Marrocos.

A exposição inclui cerâmicas, joias, armas, trajes, caligrafia e uma coleção judaica, refletindo a diversa história cultural da cidade. Também em exibição encontra-se uma seleção fascinante de gravuras que mostram como o Marrocos foi visto por artistas estrangeiros ao longo dos séculos. Obras de artistas contemporâneos marroquinos completam a coleção permanente, enquanto um programa de exposições temporárias faz uso do antigo hammam e outros espaços do palácio.

 

 

 

Museu Tiskiwin (Maison Tiskiwin)

Um dos museus mais fascinantes de Marrakech, o Museu Tiskiwin, ou Maison Tiskiwin, fica em um riad maravilhosamente restaurado, situado entre os palácios Bahia e Dar Si Said, e apresenta uma variedade peculiar de artes e ofícios do Norte Africano que contam a vibrante história cultural da região.

A coleção, reunida pelo antropólogo holandês Bert Flint, que residiu na cidade a partir de 1957, é organizada em exposições tematizadas geograficamente, com cada sala de artefatos destacando um local diferente ao longo da antiga rota de comércio do Saara, de Marrakech a Timbuktu. Um conjunto colorido de objetos está em exposição, incluindo tapetes requintados e tecidos feitos à mão, vestuário e joias tradicionais berbere, detalhadas cestas e artesanatos tribais, muitos dos quais eram adquiridos nos lendários souks de Marrakech e conservados por Flint.

 

 

 

Dar el-Bacha

A Rue Dar el-Bacha marca o limite norte da Medina Central de Marrakech - o coração e a alma da cidade. Esta área também é o lar de muitas das principais lojas, restaurantes e banhos de Marrakech. Caminhe ao longo da via e você vai encontrar lojas que vendem antiguidades, tapetes orientais, joias Berber e utensílios domésticos, assim como vários fondouks - uma espécie de caravançarai no Oriente Médio - que comercializam mercadorias artesanais como bolsas, tapeçarias, azulejos pintados à mão e pufes.

Dar Moha, classificado entre os melhores restaurantes marroquinos da cidade, ocupa um belo local na Dar el-Bacha, onde os clientes podem comer ao ar livre em torno de um pátio com uma piscina. Para um pouco de relaxamento após um dia vagando pela Medina, a Dar el-Bacha é o lar de dois excelentes spas, o tradicional Hammam Dar el-Bacha (o maior hammam tradicional na cidade) e o sofisticado, em um estilo mais tradicional, Hammam de la Rosa.

 

 

 

Madraça Ben Youssef

Alguns dizem que a entrada da Madraça Ben Youssef é propositalmente modesta e sem graça. Pouco mais de uma porta de madeira voltada para a movimentada medina, sua entrada nada mais é do que a de uma loja, escritório ou casa, talvez. Mas a inscrição encontrada sobre a porta atrai os viajantes: "Você que entra pela minha porta, tenha suas maiores esperanças alcançadas". E ao passar pela entrada estreita com o barulho da medina desaparecendo atrás de você, o que emerge à sua frente é o pátio de uma madraça do século 16.

Construída em 1570 como um local de aprendizagem islâmica, a Madraça Ben Youssef cresceu para atender a mais de 900 estudantes. No seu auge, era a maior escola islâmica do norte da África, e já teve 132 dormitórios - alguns dos quais são tão pequenos que você precisa se agachar para entrar. Embora a madraça tenha formalmente parado de educar por volta de 1960, uma extensa remodelação a transformou em um local informativo para visitantes.

 

 

 

Palácio el Badi (Palais El Badi)

O Palácio el Badi é um testemunho ao ar livre das sucessivas dinastias que já dominaram em Marrakech. Ele foi construído no final do século 16 pelo rei Ahmad al-Mansur, da dinastia Saadi, que não poupou nenhuma despesa, enchendo-o com os melhores materiais e artesanato da época: mármore italiano, ouro sudanês e madeira indiana esculpida.

Mas as glórias do El Badi ("o incomparável") foram fugazes, e o Sultão Mawlay Ismail, da dinastia sucessora Alaouite, saqueou a construção para o seu próprio palácio. Mesmo em seu estado de decadência você consegue ter uma ideia clara da grandiosidade do palácio, com muros altos e austeros protegendo os vestígios de pompa dos salões de recepção senhoriais e outras salas oficiais. O detalhado Koutoubia minbar (a escadaria semelhante a um púlpito da qual o imã prega na mesquita) também está em exibição.

 

 
Promoções
 
 
 
 

money-icon

Como poupar nas férias
 
  Iberica360
Voos Baratos
Busca de Voos
flightradar
 
  Paper-Money-icon
Conversor de Moeda
 
 
 
 
 

Online

Temos 97 visitantes e 0 membros em linha