Booking.com

 
 
 

Ilha de São Jorge

São Jorge é a ilha das arribas, falésias e fajãs, uma das mais verdes do arquipélago dos Açores e o local perfeito para umas férias em contacto com a natureza e o mar.

 

 

Ilha de São Jorge

Esta ilha com 54 quilómetros de comprimento e 6,9 quilómetros de largura máxima está integrada no Grupo Central e é um dos vértices das chamadas “ilhas do triângulo”, em conjunto com o Faial e o Pico, do qual dista 18,5 km.

Férias em São Jorge

Paisagisticamente salta à vista o contraste da cordilheira central que atravessa a ilha em quase todo o comprimento, com a escarpada e recortada costa, salpicada pelas típicas fajãs que se estendem mar adentro. As fajãs são pequenas planícies que tiveram origem em desabamentos de terras ou lava e nesta ilha existem mais de 40, daí ser muitas vezes apelidada por ilha das fajãs. Nalguns casos apenas existe acesso pedestre, por isso os trilhos são uma das melhores formas de a descobrir, existindo caminhos adequados a várias condições físicas e acompanhamento especializado.

Fajãns de São Jorge

 

Da Fajã da Caldeira do Santo Cristo, a mais famosa pelas suas saborosas amêijoas, à Fajã dos Cubres, com uma cristalina lagoa, e à Fajã do Ouvidor com as suas piscinas naturais, passear pela ilha de São Jorge é admirar o terreno parcelado para a agricultura de subsistência, as casas de pedra com janelas de três guilhotinas, cascatas e os curiosos cabos de aço para transporte da lenha até às planícies costeiras.

 

Completando toda esta deslumbrante paisagem costeira, estão ainda o Ilhéu dos Rosais e, ao largo da ponta oriental da ilha, o Ilhéu do Topo, centro de nidificação de muitas aves marinhas e de bons exemplares da flora endémica dos Açores. São razões que, aliadas à vertente paisagística, levaram à sua classificação como Reserva Natural.

 

No planalto central da ilha, a 1.053 m de altitude, encontramos o ponto mais alto de São Jorge, o Pico da Esperança, de onde podemos avistar inesquecíveis panorâmicas sobre a própria ilha, de perto vigiada pelo Pico, Graciosa, Terceira e Faial. É nesta zona mais alta, numa área que se estende desde o Pico do Areeiro ao Pico das Caldeirinhas, passando pelos Picos da Esperança e do Carvão e pelo Morro Pelado, que pela presença de uma vegetação endémica de grande valor botânico e científico, foram criadas três Reservas Florestais Naturais, que adotaram o nome daqueles quatro Picos.

 

Os vários miradouros disseminados pela ilha, como por exemplo o da Ribeira do Almeida, Fajã das Almas, das Urzes, Fajã dos Cubres e do Norte Pequeno, permitem vistas de indiscutível beleza.

 

São Jorge divide a sua área por 2 concelhos, as Vilas da Calheta e das Velas. Na Vila das Velas, o Portão de Mar acolhe os viajantes dos barcos que atracam no porto, encaminhando-os para a praceta central da vila, onde se podem visitar a Igreja Matriz de São Jorge, com o Museu de Arte Sacra anexo, e os Paços do Concelho.

 

Ao passar pela Urzelina o olhar fixa-se numa torre de igreja isolada no meio da paisagem, quase totalmente rodeada por rochas negras. Trata-se do único vestígio da construção original que foi soterrada pela erupção vulcânica de 1808. Em Manadas, de destacar um dos mais interessantes exemplos da arquitetura barroca nos Açores, a igreja de Santa Bárbara (do século XVIII), com fachada branca e negra e um rico interior. A Calheta e o Topo são pitorescos portos onde sobressaem casas e igrejas seculares com histórias para contar, como a Igreja de Santa Catarina, o Museu de São Jorge e a igreja de Nossa Senhora do Rosário.

 

As colchas de ponto alto continuam a ser manufaturadas em teares de madeira e as artesãs podem ser encontradas a trabalhar na Fajã dos Vimes. A cooperativa de artesanato da Ribeira de Nabo funciona como mostruário destas colchas, também conhecidas por “mantas de São Jorge”.

 

 

Festividades

Tal como nas restantes ilhas, também em São Jorge as Festas do Espírito Santo têm tradição entre a população e decorrem entre maio e setembro.

 

A festa dedicada ao santo que deu nome à ilha, São Jorge, decorre no concelho das Velas por volta do dia 23 de abril, incluindo uma procissão, espetáculos musicais e exposições.

 

A Semana Cultural das Velas anima São Jorge e restantes “ilhas do triângulo” durante o mês de julho. O programa é composto por diversas atividades como eventos náuticos, espetáculos musicais e feira gastronómica. Ainda no mesmo mês, a vila da Calheta apresenta um Festival de Julho repleto de desfiles etnográficos, música popular, provas desportivas e exposições.

 

Na ilha também se realizam as romarias, as quais decorrem nas várias fajãs e constituem verdadeiras ocasiões em que a devoção religiosa e os arraiais populares convivem de mão dadas.

 

Atividades

São Jorge tem excelentes condições naturais para a prática de atividades marítimas como mergulho, observação de cetáceos, pesca, vela ou caiaque. No entanto, um dos maiores atrativos são as ondas da Fajã da Caldeira de Santo Cristo: a onda constante e regular que se forma sobre a bancada de pedra é classificada por profissionais e amadores como absolutamente extraordinária para a prática do surf.

 

Em terra, o relevo da ilha é perfeito para os passeios pedestres ou circuitos de BTT inesquecíveis. A escalada desportiva, com base na Urzelina, o canyoning ou a exploração dos algares do Montoso e das Bocas do Fogo, os quais, com 140 e 120 metros de profundidade, respetivamente, constituem outro bom desafio para amadores e especialistas.

 

Gastronomia

Com fama internacional e paladar único, o Queijo da Ilha de São Jorge é provavelmente um dos produtos gastronómicos mais conhecidos dos Açores.

 

Situada na Beira, a União de Cooperativas Agrícolas e Lacticínios de São Jorge, funciona como casa dos processos de cura, classificação e certificação do queijo produzido na ilha. A Denominação de Origem só é atribuída aos exemplares cumpridores dos ingredientes e métodos tradicionais. Julga-se que a produção de queijo de leite de vaca remonte às influências dos flamengos que povoavam o Topo. O Queijo da Ilha de São Jorge, de pasta semi-mole ou dura, tem um ligeiro travo a picante, apresenta-se em forma redonda e pesa 7 a 12 quilogramas, sendo usualmente cortado em cunhas.

 

Nascidas e criadas espontaneamente na Reserva Natural e Área Ecológica Especial da Caldeira de Santo Cristo, as amêijoas são outra maravilha gastronómica de São Jorge.

 

O microclima de algumas fajãs permitiu o aparecimento de especificidades agrícolas, como uma plantação de cafezeiros, caso raro na Europa: na Fajã dos Vimes pode apreciar-se um café de paladar e aroma intenso, feito com grãos colhidos localmente. É um possível complemento, tal como a aguardente de canela, para a doçaria da ilha, onde coscorões, rosquilhas e bolos de coalhada são receitas tradicionais.

 

 
Promoções
 
Hotéis

 

ref-booking-large
 

money-icon

Como poupar nas férias
 
  Iberica360
Voos Baratos
Busca de Voos
flightradar
 
  Paper-Money-icon
Conversor de Moeda
 
 
 
 
 

Excurses

 

 

Online

Temos 103 visitantes e 0 membros em linha

Voos

 

My Hotelbooking