As avaliações dos nossos viajantes

Hotelbooking

Durante a visita a qualquer destino é uma prática mais que comum por parte dos viajantes basearem-se nas avaliações de outros viajantes para escolher determinado hotel, restaurante, atração ou mesmo determinado destino de férias.

Na era da comunicação, dos bloggers, vloggers e influencers, são imensos aqueles que seguem as opiniões de terceiros, avaliam, comentam e lamentam.

Uma coisa é certa, à semelhança dos viajantes de outros países, também nós portugueses somos muito criativos na hora de avaliar um serviço, especialmente quando se trata de “dar na cabeça dos outros” devido a burrice ou ignorância nossa.

Caro e muito tempo à espera de mesa ou da comida são as lamentações mais comuns de alguns clientes, dando a impressão que não existem preços afixados ou que o restaurante escolhido fosse o único. São evidências de ignorância e burrice própria que fazem questão de partilhar com todos.

Há ainda aqueles que, segundo muitos gerentes de restaurantes algarvios, aparecem nas horas de maior afluência e perante o cenário de não ter mesa avaliam com o comentário do “típico restaurante que não aceita portugueses”, como se a nacionalidade substituísse a pré reserva ou garantisse a quebra de compromisso existente com outro cliente que reservou.

Há ainda o “cromo típico com pressa” que aparece na hora de maior afluência, tem a sorte de arranjar uma mesa e quer ser atendido antes dos clientes que já lá estão, ou aqueles que chegam a altas horas da noite com crianças querendo que a comida venha logo porque as crianças estão com fome – é um autêntico crime e mesmo desumano irem jantar com crianças às 21h30 ou mesmo mais tarde quando poderiam optar pelas primeiras horas da noite (18h30 / 19h00), altura em que a afluência de clientes é baixa e consequentemente o serviço é mais rápido.

As opiniões valem o que valem, são bastante pessoais e subjetivas, no entanto se perdermos algum tempo a ler algumas delas encontramos verdadeiras “anedotas” e muitas avaliações surreais.

Deixamos aqui algumas:

 

“Frango a preço exorbitante”

“O pito até é bom, nada que justifique os 14€ por frango, que pelo tamanho só dá para uma pessoa. Enfim!!! Algarve.”

O preço é um dos fatores que está na base de muitas das avaliações negativas, o que não se compreende já que em todos os restaurantes existe um menu com os preços e só entra quem quer. Há por aí muito boa gente que ano após ano escolhe o Algarve como destino de férias só para reclamar de tudo e de todos. Às vezes chego mesmo a pensar que esta gente pensa que no Algarve é tudo de borla…

 

“Restaurante a evitar

Não venham nesta altura do ano. Um verdadeiro ajuntamento de gente em fila ao sol à espera de dar o nome para ser atendido 1,30 ou duas horas depois no mínimo. Não vale a pena sinceramente. Os empregados exaustos, o atendimento impessoal. Não dá para acreditar. Venho aqui há mais de 10 anos, nunca vi este arraial de gente. O restaurante abre ao meio dia, mas está a abarrotar e cá fora à espera um magote de gente à espera.”

Grande parte dos visitantes dispensa este tipo de alerta pois sabem bem onde ir, a que horas devem ir e quando evitar.

Realmente há quem goste de sofrer e esperar uma ou duas horas para comer, com tantos restaurantes onde a larga maioria aceita reservas, estar numa fila ao sol durante uma 1.30 ou duas horas é apenas para que não é minimamente inteligente, a ainda por cima, partilha a burrice com todos.

 

 

“Nunca mais!!

Fui em busca do melhor local para comer o famoso frango Guia, mas foi uma desilusão.

Aguardamos 1hora para entrar, esperar para jantar em altura de maior afluência até aí tudo bem. O acolhimento foi a despachar com pouca simpatia e senti-me pressionado para fazer o pedido. O ambiente parece de cantina com imenso barulho, não se consegue estar tranquilo a jantar... O único ponto positivo foi a rapidez com que veio a comida para a mesa. Resumindo o tempo de espera e o serviço prestado não valem a pena, existem outros restaurantes com o frango tão bom ou melhor com qualidade de serviço.”

O cometário anterior aplica-se na perfeição e esta lamentação.

 

“Atendimento Miserável

Um dia de semana, liguei para lá a perguntar se iriam transmitir um jogo de futebol na televisão pela hora de jantar, foram confirmar com o chefe de sala que, segundo o que me transmitiram telefonicamente, confirmou que o mesmo iria ser transmitido. Fizemos 20km para irmos lá jantar e quando lá chegamos informaram-nos que afinal não iriam mudar de canal nem transmitir o jogo! Foram de uma arrogância e mau trato como nunca vi!”

Os jogos de futebol vêm-se em casa ou nos estádios. Imaginem o pânico do chefe de sala a imaginar os clientes a fazer “sala” durante 2 horas por mesa por causa do jogo de futebol.

 

 

“2 horas de espera e meia hora a comer!

Comida aceitável, atendimento muito fraco, caro para comer frango e o tempo de espera horrível!!!

2 horas à espera de mesa e quando sentamos numa mesa parece que entrámos numa linha de montagem! Sempre a despachar! Não se compreendendo facto de não terem as salas todas abertas em pleno mês de Agosto!

Quem tiver crianças esqueça! É o fim do mundo!

As fotos mostram certa de 50% das pessoas que estão à espera!

Resumidamente, se alguém quiser terminar um dia de férias da pior forma, está tasca é sítio certo!”

Mais uma vez, com tanto restaurante que há por aí, esperar duas horas por mesa é algo pouco inteligente e muito menos ainda é partilhar esta asneirada com os outros leitores.

 

 

“Péssimo em todos os sentidos!

O adjetivo "péssimo" acaba por ser um adjetivo simpático perante o atendimento que nos foi prestado nesta casa de tão grande e incompreensível fama!!!

Começando no atendimento dos empregados, logo à entrada na gestão e organização de reserva de mesas, que não dão qualquer importância ao atendimento prioritário obrigatório por lei, nomeadamente... grávidas, pessoas com síndrome de Down (trissomia 21), etc... enfim, a minha experiência foi esta...

À entrada do restaurante o funcionário da gestão de reserva de mesa, não deu importância alguma à minha mulher que se encontra grávida de 7 meses, confrontamos o funcionário com a situação prioritária e de nada valeu, ficamos à espera de mesa durante 40 minutos, quando a primeira informação era de 30 minutos de espera... na sala de espera (completamente cheia), havia mais pessoas com atendimento prioritário que não foram tratadas como tal, casais com bebés, casais com filhos com trissomia 21... mas há mais...

Todo o atendimento foi a despachar, sem o mínimo de "brio" ou atenção que todos os clientes merecem receber!

Não há simpatia a perguntar os pedidos, a colocar a comida na mesa, a levantar os pratos...

O famoso frango... até tem um gosto agradável mas... são PINTOS! Não são frangos!!! E NÃO VALE MESMO A FAMA QUE TEM!!!

3 frangos e meio minúsculos, 1 salada, 2 travessas de batatas, 2 águas de meio litro, 4 imperiais, 2 doces e 3 cafés... 77 euros????????????

Restaurantes de leitões ou de marisco estão demasiado baratos neste caso!

No final pedimos o livro de reclamações para identificar e registar apenas o problema do atendimento prioritário que já é GRAVE o suficiente... até aí os funcionários foram antipáticos...

E (claro) o gerente não estava presente!

É URGENTE REPENSAR A DEFINIÇÃO DE CIVISMO!"

Mais uma argolada de primeira que entra para a história.  Quanto à questão do atendimento prioritário esta deveria ser revista e aplicada apenas aos serviços que se consideram essenciais e mesmo esses, há questões pertinentes. Há aqueles que se deslocam com crianças aos restaurantes em plena hora de maior afluência ou tardíssimo e querem passar à frente de todos alegando que as crianças estão com fome quando o correto seria deslocarem-se aos restaurantes bem cedo, em horário de baixa afluência, evitando longas filas de espera.

Nesta lamentação não dá para compreender bem a situação, se é a gravidez, a trissomia 21... ou o preço do jantar, no entanto existem restaurantes que trabalham com reservas e todos têm menus com preços e, não há conhecimento de locais que obriguem os clientes a ficar na fila ou a entrar nos mesmos.

 

 

“Péssimo atendimento!

Lamentável e vergonhoso o atendimento. Como clientes deveríamos ser tratados com o mínimo de respeito e simpatia, isso não aconteceu!

Fomos jantar 2 casais e uma criança a este restaurante. Depois de cerca de 1h de espera, sentámo-nos e o empregado atendeu-nos a despachar, perguntando apenas quantos frangos queríamos.

Eu não como carne, pedi a ementa ao empregado, disse-me de forma rude que não tinha mais nada. Perguntei se não tinha nenhum peixe e ele agressivamente disse que o único peixe que tinha era aquilo (apontou para os patés de sardinha que estavam no prato com as manteigas). Tratou-me como se fosse estúpida, ignorou-me e não sugeriu nenhuma alternativa, nem tentou resolver. Depois de servir a mesa e eu ficar à fome, perguntei se não tinha sopa, e respondeu que só sopa de legumes. Pedi uma sopa mas se não tivesse perguntado, nem isso me dizia que tinha.

Quando saí do restaurante reparei que tinham a emente na porta, na qual consta camarão cozido (coisa que o empregado não disse).

Resumindo: o que seria um jantar de amigos de convívio e diversão, tornou-se um jantar desagradável, caro e em que eu não comi nada para além de uma sopa (só com batata e sem sabor). Fomos extremamente mal atendidos do início ao fim.”

Outra argolada de primeira já que o restaurante em questão tem um menu onde consta apenas frango, batata frita, saladas e sobremesas e por sinal camarão cozido. Porque é que não existe a preocupação de consultar o menu antes de enttrar. É o mesmo que entrar numa florista e querer beber um café.

 

… e a lista prolonga-se, se continuarmos encontramos muitos mais comentários bastante engraçados e mesmo surreais. Há quem visite o Zoomarine com espectativa de ir visitar a Disney, quem marca uma residencial extremamente barata na expetativa de encontrar um luxuoso hotel de 5 estrelas ou quem, imagine-se, dá uma avaliação negativa porque num restaurante não existem tomadas para carregar telemóveis, enfim encontra-se de tudo e para todos os gostos.

 

“Não querem trabalhar...

Visitamos o bar na semana passada perto da hora de fechar, não pudemos ser servidos porque já iam encerrar, informaram-nós que encerravam as 23h. Voltamos uns dias mais tarde às 22h15 para uma bebida e não fomos servidos novamente. Já tinham encerrado o sistema. Tenho um negócio e nunca fechei a porta a um cliente por já ter encerrado o sistema, muito menos quando isto foi feito quase 1h antes do fecho do bar. Não voltamos uma terceira vez com certeza para ver se está aberto na hora de funcionamento...”

O titulo deveria ser, ”Não querem fazer horas extra” ou “Não quiseram apanhar seca”

De facto uma ótima estratégia para aqueles que chegam próximo da hora do fecho apenas com intenção de “dar seca” a quem já tem umas longas horas de serviço no lombo. São imensos os clientes que se deslocam aos bares /  restaurantes próximo da hora do fecho e depois perdem a noção das horas suplementares a que obrigam os funcionários a fazer e o pior de tudo é que estes clientes na maioria dos casos tem profissões onde não fazem nem um minuto a mais. Haja respeito!

 

“Péssima experiência

Viemos almoçar a este espaço onde começa logo tudo mal com o tempo de espera pela comida, ainda consegue piorar quando pedimos uns bifes de peru GRELHADOS e qual não é a surpresa de vir um bife grelhado mas totalmente ensopado em óleo, salada seca e sem qualquer tempero ou disponibilidadede galheteiros. Quando eu pensava não não poderia piorar eis que no meu prato do dito bife grelhado vem bocados de panados fritos...

A juntar a esta péssima experiência a mesa do lado também com reclamações dos pratos, e ao reclamar aparecem 4 funcionários a discutir com a pessoa em questão que até era espanhola e o maior espanto é entre falta de educação dos empregados surge uma frase "fala português que isso não acontece".

Enfim, péssima experiência e a não repetir.”

Esta é daquelas experiências que nem é necessário parar e entrar no local para concluir que será péssima. Enfim na maioria das vezes o barato sai caro.

 

 

“NÃO RECOMENDO

Tudo mau!!! atendimento demorando

Tudo mau!!! atendimento demorando a comida não aconselho de forma alguma, péssima relação qualidade preço”

Enfim, o que dizer, há quem recomende e ache o preço justo.

“Caríssimo para o que comemos: 2 sopas 2 imperiais 2 mousses e 2 cafés por 14.40eur

Sopa de legumes boa, com duas imperiais. Duas mousses e dois cafés.

"A conta por favor". "14.40eur ".

Absurdo. Por menos de este preço comemos no dia anterior duas douradas duas imperiais e dois cafés em Albufeira numa esplanada (cito restaurante Poente onde pagamos 12,50eur.

Atendimento impecável pelo empregado mas sentimo-nos explorados por este pequeno restaurante.”

Há aqueles que vão aos pequenos restaurantes na esperança de comer de borla e depois lamentam-se com uma comparação que é simplesmente incrível demais para acreditar. 14,40 por duas sopas, 2 imperiais, duas mousses e dois cafés é um valor perfeitamente justo, afinal ninguém anda a roubar para encher a barriga aos clientes de borla. Depois existem ainda os menus, algo que para muitos dos nossos turistas nacionais parece um decreto-lei mas onde estão de forma clara os preços, mesmo assim, há que pergunte se o preço de determinado prato é para mais do que uma pessoa.

 

 

“Cativar os clientes não é a estratégia

Pedimos para falar com o gerente, disseram-nos que tinham três, chegou á nossa mesa um homem que antes que pudéssemos dizer fosse o que fosse iniciou um discurso de pura arrogância e má-criação numa espécie de defesa louca do porteiro sem querer sequer ouvir o que nós, enquanto clientes, tínhamos para dizer (reparo sobre a falta de educação do segurança que este ano têm á porta, tipo discoteca).

O chorrilho de grosserias com que fomos brindados pelo referido casca grossa (repito, antes sequer de nos ouvir!) foi épico, demonstrando bem que cativar os clientes não é a preocupação deste “senhor”.

De resto, não sendo a comida má e os empregados na sua generalidade eficientes, faço um reparo á falta de higiene das instalações sanitárias e das próprias mesas, deficientemente limpas entre utilizações (cabelos e restos de creme solar na cadeira onde me sentei).

Este restaurante sempre foi caro, sendo compensado o preço excessivo pelo facto de ser o único naquela praia, tendo nós casa ali era onde acabávamos por ir.

Fomos clientes durante muitos anos. Foi a última vez que lá fomos.”

Ao que o Covid19 obriga, Porteiros em restaurantes, cumprimento de regras, enfim muitos são os clientes que se esquecem das regras durante as férias e não gostam quando alguém lhes chama à atenção ou os poem na linha.  Em tempos de pandemia uma ida a um restaurante terá que resultar numa experiência agradável e segura para todos e para que tal aconteça há que seguir escrupulosamente as regras impostas pela DGS.

Nas poucas vezes que fui jantar fora desde o desconfinamento já assisti a muitas situações inclusive clientes que num espaço de 10 minutos ignoraram deliberadamente a utilização da mascara enquanto estão de pé ou se deslocam no espaço e, posteriormente, serem “convidados a ir jantar a outro restaurante” que não os obrigue a cumprir as regras.

 

 

“Muito caro!

Boa localização, com vista praia! A comida é bem confecionada, o atendimento/serviço normal, os preços são excessivamente caros.”

Existem menus com preços e só entra quem quer, para quê queixar-se depois dos preços.

 

 

“Bom, mas..

Excelente ambiente, óptima decoração e um serviço de excelência com respeito por todas as medidas de higiene e segurança. Pessoal muito afável, simpático e profissional que faz tudo para que a nossa visita seja uma boa experiência. No entanto, o preço não tem eco na qualidade dos pratos, sendo o único apontamento menos positivo.”

Idem aspas, há aqueles locais indicados para todos e os locais só para quem pode. Mas se foi uma ótima experiência, as boas experiências não têm preço e sempre é melhor gastar em comida e bebida do que em medicamentos.