Vale dos Reis

Vale dos Reis

Os faraós do Império Novo, originários de Tebas, acreditavam que o seu futuro no além dependia diretamente da boa conservação das suas múmias e tesouros, e assim fizeram-se sepultar em colinas e vales, locais onde as entradas dos túmulos podiam ser mais eficientemente guardadas e camufladas, contrariamente aos faraós anteriores que se faziam sepultar em pirâmides que eram mais facilmente pilhadas.

Mesmo assim os profanadores de túmulos não deixaram quase nenhum túmulo intacto, e ao longo dos séculos descobriram as entradas e fizeram as suas pilhagens.

 

Suspeita-se mesmo que muitos foram profanados pouco tempo depois das cerimónias fúnebres, possivelmente pelos próprios sacerdotes.

 

Os túmulos foram escavados na rocha e alguns são autênticas maravilhas de engenharia: o de Séti I tem o comprimento de 100 metros, ao passo que o do grande Ramsés II possui mais de 100 câmaras.

 

As paredes foram cobertas de decorações e inscrições relacionadas com a vida passada e futura do ocupante do túmulo. O Túmulo de Séti I é considerado o mais belo, e tem estado fechado ao público, e o mais famoso é certamente o do jovem rei Tutankhamon, descoberto intacto em 1922 pelo arqueólogo Howard Carter e cujos tesouros se encontram em exposição no Museu Egípcio do Cairo.

Os seus planos podem afetados pelo Coronavírus (COVID-19). Por favor, verifique as restrições de viagem antes de viajar ou reservar um alojamento. As viagens podem ser permitidas apenas em certas ocasiões e as viagens de turismo, em particular, podem ser proibidas.
Toggle Bar