Sobre a Índia

Índia

Em pleno continente asiático a Índia é limitada a noroeste pelo Paquistão, a nordeste pela China , a leste pelo Bangladesh, Nepal e Butão e a sul está limitada pelo oceano Índico.

Mais do que um destino de cultura, história e natureza, a Índia é uma verdadeira viagem a um mundo de sensações e momentos.

 

Aqui encontra algumas informações úteis sobre a Índia, um destino de férias de sonho no continente asiático.

 

A Índia em números

Designação oficial do país: República da Índia

Capital: Nova Deli

Localização: No continente asiático, limitado a noroeste pelo Paquistão, a nordeste pela China e a leste pelo Bangladesh, Nepal e Butão. A sul está limitada pelo oceano Índico.

Forma de Governo: República

Superfície: 3.287,590 km2

População: 1.100 milhões de habitantes

Línguas: O Hindi é a língua oficial, no entanto o Inglês é comummente usado. Existem mais 21 línguas utilizadas em todo o território indiano.

Religião: Maioritariamente Hindus.

Grupos étnicos: Maioritariamente Indianos.

PIB: US $ 3.267 mil milhões

PIB per capita: US $ 2,800

Crescimento anual: 6.6%

Inflação: 7.8%

Principais sectores de atividade: Produtos petrolíferos, agricultura e tecnologias de informação.

Principais parceiros comerciais: Estados Unidos, China e Reino Unido.

 

 

Informações úteis

 

Documentação: Passaporte (com validade mínima de 6 meses) e visto que deverá ser obtido na embaixada da Índia, em Lisboa.

 

Língua oficial:

O Hindi é língua oficial, falada sobretudo no norte da Índia. O Inglês é língua administrativa e vastamente falada em todo o país. Para além destas, existem ainda outros 22 idiomas reconhecidos oficialmente e que são utilizados pelas administrações estaduais.

 

O Clima na Índia

A Índia possui um clima tropical no sul, que se caracteriza por um sistema de monções que afetam a costa oeste, e no norte, na fronteira com o Paquistão, o clima é seco e desértico.

No norte da Índia há cinco estações: verão (de maio a junho), monção (de julho a setembro), outono (de outubro a novembro), inverno (de dezembro a janeiro) e primavera (de fevereiro a abril). No sul, e em geral no litoral, o clima é tropical húmido, sujeito a regime de monção e com pouca variação de temperatura. A melhor época para visitar o país é entre outubro e março.

 

Temperatura Média em ºC

Delhi

Jan  Fev.  Mar  Abr.  Mai   Jun.   Jul.   Ago.   Set.   Out   Nov.   Dez

14    17    23    28    34     34    32     30      29     26     20      16

 

 

Bombaim

Jan   Fev.   Mar   Abr.  Mai   Jun.   Jul.   Ago.   Set.   Out   Nov.   Dez

 24    24      26    28    30     29     27    27      27      28    28       26

 

Roupa: Recomenda-se roupa ligeira e fresca, devido ao calor e à humidade.

Hora Local: + 4,5 horas (Abril a Outubro)

+ 5,5 horas (Novembro a Março)

 

Tempo de viagem: Não existem voos diretos de Portugal. O tempo previsto para o voo Lisboa – Dehli é cerca de 10 horas, com escala numa capital europeia.

Corrente elétrica: A corrente é de 240V e 110V, 50 Hz e as tomadas são do tipo inglês pelo que é necessário adaptador.

 

Moeda local e sistema bancário na Índia

A moeda local é a Rupia indiana. A taxa de câmbio pode ser obtida no site do Banco de Portugal. A conversão da moeda estrangeira em moeda local deverá ser feita através dos bancos oficiais ou instituições bancárias autorizadas e mediante recibo adequado. O recurso ao mercado negro é punido criminalmente, pelo que se aconselha a que preserve todos os recibos de operações de câmbio que venha a realizar.

As agências de maior confiança na Índia para cheques de viagem (traveller's cheques) são a American Express, a Thomas Cook e o Citi Bank, podendo também utilizar-se os serviços do Bank of India ou do State Bank of India em quase todas as regiões, mesmo as mais remotas do país. Pode transferir dinheiro de Portugal para vários pontos da Índia através da rede Western Union.

Os cartões de crédito (Visa, Mastercard, American Express) são geralmente aceites nas lojas e nos hotéis. Nas principais cidades da Índia a cobertura da rede ATM é boa. Para mais informações sobre moedas e alfândegas poderá consultar o site do banco central indiano.

 

 

Regime de entrada e estada na Índia

 

Regime de Vistos

Para entrada na Índia é necessário visto que deve ser obtido antes da partida junto das missões diplomáticas e consulares indianas no estrangeiro. A prorrogação da duração do visto pode ser feita no país junto do Ministério da Administração Interna /Ministry of Home Affairs). As autoridades indianas exigem que os documentos de viagem (passaporte) tenham uma validade mínima de seis meses. Se permanecer em território indiano para além da validade do visto está sujeito ao pagamento de multa e poderá ser julgado, detido e eventualmente deportado.

O Governo indiano dispõe do Programa e-Tourist Visa destinado a facilitar a obtenção de visto para entrada no país, que abrange também os cidadãos portugueses. Assim, os cidadãos que reúnam as condições para obtenção de visto turístico poderão solicitá-lo online com uma antecedência mínima de quatro dias sobre a data da chegada à India. O visto é válido por 30 dias, podendo ser requerido duas vezes em cada ano. Para mais informações consultar o site do programa e-Tourist Visa.

Se é possuidor de um visto do tipo S (estudante), R (investigação), E (emprego), M (missionário), J (jornalista), MX (tratamento médico), o registo junto do Foreigner Regional Registration Office (FRRO)  da sua área de residência é obrigatório e deverá ser feito nos 14 dias após a primeira entrada em território indiano, independentemente da duração efetiva da estadia.

O registo junto do FRRO é também obrigatório quando possuir qualquer outro tipo de visto de longa duração (e.g. visto de negócios – B) e a sua estadia exceda 180 dias seguidos. O registo deverá ser feito antes de terminar o referido período de 180 dias. Se é titular de um visto de negócios para a Índia, e se pretende utilizar os 180 dias máximos de permanência por ano que este visto prevê, mesmo que em períodos acumulativos e não consecutivos, deve registar-se no FRRO mais próximo, sob pena de pagamento de multa avultada e proibição de embarque até a situação estar regularizada.

Os portugueses titulares de passaporte diplomático português válido podem entrar e permanecer no território da República da Índia isentos de visto, por um período máximo de 90 dias por semestre a contar da primeira entrada (Decreto nº 16/2017 de 5 de junho).

Caso no seu visto, e independentemente do tipo, tenha sido aposto um carimbo que refira a necessidade de registo, deverá seguir as indicações fornecidas e proceder ao seu registo junto das autoridades indianas - Foreigner Regional Registration Office (FRRO). Caso resida numa localidade onde não existe FRRO, deverá contactar a esquadra de polícia (District Superintendents of Police) mais próxima e registar-se junto dos Foreign Registration Officers.

Para mais informações sobre o regime de entrada e saída de território indiano recomenda-se a consulta do portal dos serviços de imigração da Índia.

 

 

Reentrada na Índia através do Nepal

Os cidadãos nacionais em turismo na Índia que pretendam visitar o Nepal e reentrar na Índia pela fronteira terrestre (autocarro, carro particular, a pé), devem ter especial cuidado e mostrar o seu passaporte, com o visto válido a permitir a nova entrada na Índia, aos agentes de fronteiras indianos. Os cidadãos não devem reentrar na Índia sem ser aposto no passaporte um carimbo das autoridades indianas com a data de reentrada no país.

Por não ser necessário visto para os cidadãos nepaleses visitarem a Índia, as autoridades indianas nem sempre confirmam os passaportes de quem entra pela fronteira terrestre, devendo assim os viajantes nesta situação insistir para que as autoridades indianas lhes verifiquem os passaportes e coloquem o carimbo de entrada na Índia, sem o qual não será possível nova saída do país sem regularização junto do Serviço de Imigração indiano (FRRO), mediante o pagamento de uma multa por entrada ilegal na Índia.

 

 

Vistos para tratamentos de fertilidade e/ou de maternidade

Para a realização de tratamentos de fertilidade e/ou de maternidade por substituição é necessário assegurar um conjunto de requisitos e pedir visto para tratamento médico junto das Embaixadas da Índia no estrangeiro. Se pretende recorrer a esta prática médica, aconselha-se vivamente que contacte a Embaixada da Índia em Lisboa (o não cumprimento dos referidos requisitos poderá impedir o regresso à Índia para conclusão do tratamento) e a Embaixada de Portugal em Nova Deli ou o Consulado Geral de Portugal em Goa de modo a conhecer quais as condições de registo da criança.

 

Restrições aduaneiras e sanitárias à importação de produtos

Artigos proibidos:

- ópio, outras drogas narcóticas e utensílios para fumo de ópio, estimulantes (incluindo inaladores “Viks” e “Sudafed”), substâncias psicotrópicas (excluindo os autorizados por Ministério da Saúde, Trabalho e Segurança Social);

- armas de fogo (pistolas, espingardas, máquinas de armas de fogo, etc.), munições (balas) e peças da pistola;

- livros, desenhos, gravuras e outros artigos de ofensa pública ou moral (materiais obscenos ou imorais, ex. pornografia);

- artigos que infringem os direitos patentes, modelo-utilidade, designer, marcas, direitos de autor, direitos de outros ou layout designer de circuitos integrados;

- artigos falsificados, alterados ou imitados de moedas, dinheiro em notas, notas bancárias, seguros e cartões de crédito.

 

Artigos restritos:

- Plantas e animais deverão ser apresentados ao fiscal da quarentena de plantas e animais para inspecção antes de passar na alfândega;

- Há restrições na quantidade de importação de remédios e cosméticos (ex. remédios para uso interno – montante pelo período de 2 meses; remédios para uso externo – 24 peças; cosméticos – 24 peças)

- Há restrições na entrada de alguns produtos alimentares, em particular carnes de porco,pato e produtos derivados.

- Não é permitida a entrada, sem autorização de posse, de espingardas para caça, “air guns” e espadas, etc.

 

Condições de segurança na Índia

1 - A realização de viagens turísticas a este país deve ser objeto de uma especial preparação e cuidado, dada a extensão do país, a diversidade religiosa, cultural e linguística e a permanente possibilidade de conflitos inter-religiosos e separatistas em boa parte do território. Regra geral, a Índia é um país pacífico e seguro, mas o viajante deve estar sempre atento à sua segurança e dos seus bens. Existe por parte das autoridades um sentimento de preparação para uma permanente ameaça terrorista e irrupção de casos de violência comunal em vastas zonas, o que pode dificultar qualquer viagem.

2 - Neste momento, aconselha-se cautela extrema em todas as deslocações ao Estado do Jammu e Cachemira, onde a agitação social, religiosa e política obrigou à intervenção policial e militar do governo central, com estabelecimento de recolher obrigatório em muitas cidades e nos vales adjacentes a Srinagar.

3 - Se pretende deslocar-se à Índia durante os meses de verão europeu (junho-setembro), deverá ter em conta a época da monção, com fortes chuvas, frequentes inundações, desabamento de terras e consequentes cortes nas redes rodoviária e de comunicações. Deverá procurar manter-se informado sobre as condições meteorológicas antes e quando se deslocar no país. Pode ainda consultar o site do serviço meteorológico indiano.

4 - Nos últimos anos registou-se um aumento do número de agressões sexuais contra as mulheres, não só indianas mas também estrangeiras. Recomenda-se assim o exercício das devidas precauções, desaconselhando-se viagens sozinhas e/ou a aceitação de convites feitos por desconhecidos. Recomenda-se ainda atenção ao tipo de roupa utilizado.

5 - O consumo e a posse de drogas são ilegais e encontram-se sujeitos a sérias consequências penais, nomeadamente prisão efetiva (em condições salubres muito precárias).

6 - No caso de pretender deslocar-se a regiões e zonas fora dos percursos turísticos comerciais deverá informar-se e organizar a viagem adequadamente. Algumas zonas do território indiano são consideradas “áreas restritas/protegidas”, sendo necessária autorização prévia do Governo indiano para visitá-las. Essas áreas incluem os Estados do nordeste indiano, as ilhas Andaman e Nicobar e zonas dos Estados de Himachal Pradesh, Uttaranchal, Rajastão, e Jammu e Caxemira. Para mais informações, recomenda-se a consulta do portal dos serviços de imigração da Índia.

7 - Se praticar montanhismo, deverá considerar o facto de que em zonas de altitude superior a 3.000 metros não existem serviços de resgate. A Força Aérea indiana não está obrigada a realizar resgates. Assim, deverá ser possuidor de uma apólice de seguro que cubra altitudes superiores a 2.400m. Assinala-se ainda que é ilegal o uso de telefones satélite.

 

 

Transportes na Índia

Todos os tipos de transportes envolvem alguns riscos, sobretudo nos meses de monção (julho a setembro). Tendo em conta a ocorrência de furtos durante viagens de autocarro e comboio, recomenda-se atenção redobrada à segurança pessoal e aos pertences, nomeadamente aos documentos de identificação.

 

Transporte aéreo:

As principais cidades e destinos turísticos são servidos por ligações aéreas regulares.

Procura e reserva de Voos

 

Transporte rodoviário:

A rede rodoviária é insuficiente e encontra-se em más condições. A circulação faz-se pela esquerda e é, nalguns aspectos, caótica, quer nas cidades quer nas zonas rurais. Para poder conduzir na Índia deverá ser portador de um título de condução indiano válido. É particularmente perigoso conduzir à noite. Aconselha-se a que sempre que deseje viajar de carro se faça acompanhar por um motorista.

 

Transporte ferroviário:

A rede ferroviária é boa e cobre todo o país. Os comboios são lentos, com diferentes graus de conforto e os seus horários pouco fiáveis, mas são, a par com os aviões, o meio de transporte mais seguro para se deslocar no país.

 

 

Cuidados de saúde na Índia

Não há protocolo de saúde entre Portugal e a Índia. As doenças mais frequentes são as hepatites, tuberculose, cólera, malária, dengue e outras febres. As condições médico-sanitárias e higiénicas não são adequadas fora dos grandes centros. Nas principais cidades, porém, há bons cuidados médicos, essencialmente nos hospitais privados. Deverá ser-se portador de um seguro de saúde com cobertura neste país, sendo aconselhável a subscrição de um seguro que preveja a evacuação médico-sanitária a partir da Índia.

Vacinação: Não há vacinas obrigatórias para a entrada na Índia, à excepção da vacina contra a febre amarela, para passageiros provenientes de zonas afectadas. Aconselha-se, antes da partida, a realização de uma consulta médica de aconselhamento ao viajante.

Consumo de água: Não se deve ingerir água que não seja engarrafada e selada. É importante ter em mente que o gelo das bebidas pode não ser de água potável. São de evitar os legumes crus, mariscos, ostras e molhos.

 

Endereços dos principais hospitais e clínicas

 

Em caso de necessidade, poderá eventualmente recorrer a um dos seguintes hospitais, sendo que esta não pretende ser uma lista exaustiva:

Nova Deli

- Indraprastha Apollo Hospital: Mathura Road, Sarita Vihar, Nova Deli 110044 - Tel. (0091) 1126925858;

- Max Medcentre: 110 Panscheel Park, Nova Deli - Tel. (0091) 1126499870;

- Max Devki Devi Heart and Vascular Institute: 2 Press Enclave, Saket, Nova Deli - Tel. (0091) 1126525555;

- Hospital East-West Medical Centre: B-28 Greater Kailash I, Nova Deli - Tel. (0091) 1129243701;

 

Bombaim

- Bombay Hospital & Research Centre:16 , New Marine Lines, Bombaim, 400 020 - Tel. (0091) 2222067676;

- Balabhai Nanavati General Hospital: S.V. Road-Vile Parle (V), Bombaim, 400 056 - Tel. (0091) 2226125555;

 

Calcutá

- Woodlands Nursing Home: 8/5 Alipore Road, Calcutá 700 027 - Tel. (0091) 3324567075;

- Apollo Gleneagles Clinic: 48/1F, Leela Roy Sarani, Calcutá 700 029 - Tel. (0091) 3323203040;

 

Chennai

- Apollo Hospital.21, Greams Lane, Off Greams Road, Chennai 600 006 - Tel. (0091) 4428290200;

- Fortis Malar Hospital: 52, First Main Road, Gandhi Nagar, Adyar Chennai 600 020 - Tel. (0091) 4424914023.

 

 

Telecomunicações na Índia

A rede telefónica indiana é digital e melhorou significativamente. Nos centros urbanos é relativamente fácil telefonar para o estrangeiro e enviar faxes. A operação faz-se em estações CTT (GPO-General Post Office), ou de cabinas públicas (STD/ISD Booths). Existe uma grande cobertura de redes móvel e internet.

È possível comprar um SIM Card indiano para o período da viagem na Índia – nos aeroportos as companhias de telecomunicações têm espaços para esse fim. Traga sempre consigo 2-3 fotografias suas tipo passe, pois são essenciais no processo de compra do cartão.

 

 

Compras: A Índia é um verdadeiro paraíso para os amantes das compras já que podem ser adquiridos milhares de produtos de todo o tipo, mas é preciso regatear nos bazares e encarar essa arte como um jogo.

São famosas as sedas de Benares, os bordados em ouro de Mysore, as telas de algodão de cores alegres do Rajastão, os tapetes e roupas feitos com lã de cachemira.

As jóias indianas são também muito admiradas, bem como as pratas do Rajastão, a filigrana de Orissa, o ouro talhado de Kerala e as pérolas de Hyderabad.

Mas também podem ser encontradas verdadeiras maravilhas em bronze e latão, formosas talhas de marfim, sândalo, ébano e pau-rosa, bem como deliciosos chás, sabonetes perfumados e essências deveras exóticas.

 

Turismo da Índia: http://www.incredibleindia.org

 

Apoio ao turista na Índia

O Ministério Indiano do Turismo dispõe de uma linha telefónica gratuita de apoio ao turista na Índia, disponível em várias línguas, incluindo em português, através do número 1800 111 363. Encontra ainda informações no site do Turismo da Índia.

Aconselham-se os viajantes a manter consigo fotocópias do passaporte, visto e reservas de voos, separadas dos originais, pois em caso de perda/furto destes últimos será mais fácil evitar problemas burocráticos.

 

Representações diplomáticas e consulares de Portugal na Índia

Embaixada de Portugal em Nova Deli

- Área de jurisdição da Secção Consular: toda a Índia (com excepção dos Estados de Goa e Maharastra e os territórios da União de Damão e Diu), Butão, Bangladesh, Maldivas, Nepal e Sri Lanka);

- Endereço: N.º.4, Panchsheel Marg, Chanakyapuri, New Delhi 110021;

- Telefones: (0091) 1146071001 (consular) / 46071005 / 46071006 (embaixada) ;

- Fax : (0091) 1146071003;

- Correio eletrónico Embaixada: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

- Correio eletrónico Secção Consular: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

- Sítio Internet: https://www.novadeli.embaixadaportugal.mne.pt/

 

Consulado Geral de Portugal em Goa

- Área de jurisdição consular: Estados de Goa e Maharastra e os territórios da União de Damão e Diu;

- Endereço: Parwati - House n.º 38 and 39, Father Angelo Road, Altinho, Panaji - 403001 Goa

- Telefone: (0091) 8322421524 / 2421525

- Fax: (0091) 8322421521/22

- Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

- Sítio Internet: www.consuladoportugalgoa.com

 

Consulado Honorário de Portugal em Calcutá

- Endereço: 32 K New Road, Alipore, Kolkata 700027;

- Telefone: (0091) (0) 3324797564 / 7381;

- Fax: (0091) (0) 3322272528;

- Correio eletrónico;: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Consulado Honorário de Portugal em Chennai

Endereço: 46, College Road, Chennai - 600006 Índia

Telefone: +(91-44) 28263358

Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Consulado Honorário em Mumbai:

Endereço: 71, World Trade Centre, Cuffe Parade, Mumbai - 400005 India

Telefone: +(91) 22 6622 1196

Correio eletrónico: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Antes de marcar qualquer viagem de férias não deixe de conferir as informações e alertas mais recentes sobre cada país / destino, no Portal das comunidades portuguesas.
COVID-19 - Viagens ao estrangeiro e deslocações e a Portugal

Mantenha-se a par das últimas noticias aqui!

Mais Informao

 

Antes da partida:

1. Verifique se dispõe de passaporte válido. Alguns países exigem um prazo de validade que poderá ir até 6 meses após a conclusão da viagem e outros não aceitam passaportes temporários, se possível deixe a familiares fotocópia do passaporte e do contacto do hotel onde ficará instalado. Verifique também se os seus cartões de crédito/débito são aceites no país de destino;

2. Adquira atempadamente o bilhete e garanta as condições e os meios necessários para a viagem. Assegure-se de que dispõe dos meios suficientes para a sua permanência no país e para regressar, no caso de o seu bilhete de regresso perder a validade;

3. Verifique, junto do seu agente de viagens ou nas Embaixadas e Consulados, se necessita de um visto para entrar no país de destino. Em caso afirmativo, não parta sem obter o visto;

4. Informe-se sobre quaisquer acordos de assistência médica que possam existir com os países do seu destino;

5. Obtenha o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença - CESD, caso se desloque para um país da União Europeia. Informe-se nos serviços ou no site da Segurança Social ou do seu subsistema de saúde;

6. Informe-se, com antecedência, quanto à necessidade de cuidados de saúde especiais (vacinas ou precauções especiais). Aconselha-se a realização de uma Consulta do Viajante (atentos a que alguns países exigem a apresentação do certificado internacional de vacinação contra a febre amarela).

Nesta consulta é informado sobre medidas preventivas (ou curativas) a adotar antes, durante e depois da viagem, em função do destino, da viagem e de quem viaja. Esta consulta é extremamente importante para todos os viajantes, em particular para grávidas, crianças, idosos e indivíduos com doenças crónicas.

Esta consulta inclui vacinação ou toma preventiva de medicação contra múltiplas doenças de risco baixo ou inexistente em Portugal, informação sobre higiene individual e cuidados a ter com a água e os alimentos que se ingerem, aconselhamento e prescrição da farmácia do viajante que pode ou deve levar consigo e informação sobre assistência médica e riscos nos destinos para que viaje.

A consulta do viajante deve ser marcada um a dois meses antes da realização da viagem. O paciente deve levar consigo o seu documento de identificação (com número de utente de serviço de saúde), o boletim individual de saúde/vacinas e o certificado internacional de vacinação (caso já tenha).

As consultas do viajante e os centros de vacinação internacional encontram-se disponíveis em todo o país. Pode localizar o mais próximo da sua área de residência no site do Serviço Nacional de Saúde.

Em complemento à informação aqui disponibilizada, recomenda-se a consulta dos portais da União Europeia (UE), com recomendações para quem se prepara para viajar no Espaço Europeu, e da Direção-Geral da Saúde.

7. Faça um seguro de viagem que inclua, preferencialmente, assistência médica, roubo, furto e despesas de repatriação. Verifique as condições contratuais e os dados mais importantes: idade e limites territoriais, notificação de queixas e prazos de validade;

8. Informe algum familiar ou amigo da data de partida e da previsível hora de chegada. Indique o país ou países de destino, moradas e números de telefone de contacto.

9. Se vai viajar para países com condições de segurança precárias, procure obter o máximo de informação possível antes da sua partida e informe a(s) Embaixada(s) e/ou o(s) Consulado(s) de Portugal do país ou países que pretende visitar, da data de inicio da viagem, dos locais onde irá permanecer e dos respectivos contactos telefónicos;

10. Registe-se na aplicação móvel gratuita “Registo Viajante”, disponível para dispositivos Android e IOS, permitindo ser imediatamente localizado e contactado em caso de emergência, como catástrofes naturais, acidentes ou atentados. Pode igualmente registar-se no Formulário Registo Viajante.

 

 

No destino:

1. A fim de evitar o extravio da documentação, é aconselhável o depósito dos originais e dos bilhetes de viagem nos cofres do hotel. É suficiente, na maior parte dos países, a exibição de fotocópia dos documentos, autenticada com selo a óleo do hotel;

2. Qualquer que seja o país de destino, deverá evitar a exibição de joias e objetos de valor. Os pequenos furtos são uma constante e toda a precaução é recomendável;

3. Evite frequentar ruas mal iluminadas de noite e não resista a uma tentativa de roubo violento;

4. Não transporte malas ou embrulhos que não lhe pertençam e mantenha sempre sob vigilância a sua bagagem;

5. Não conduza veículos de outras pessoas através de fronteiras;

6. Recuse e evite qualquer tipo de contacto, manipulação ou consumo de drogas. Poderá enfrentar, consoante a lei de cada país, multas pesadas, longas penas de prisão em condições difíceis, ou mesmo a pena de morte;

7. Nos países muçulmanos e orientais, o viajante irá deparar-se com culturas muito diferentes da ocidental, devendo observar as regulamentações locais relativas ao vestuário e formas de comportamento. O consumo de drogas e de bebidas alcoólicas é geralmente punido com pesadas penas de prisão.

8. Tenha também sempre presente que as suas atitudes poderão beneficiar ou prejudicar a imagem de Portugal.

Nota importante

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionando apenas como indicações e conselhos, e são suscetíveis de alteração a qualquer momento.

Mais Informao