Férias em Arouca

Férias em Arouca

Situado na região norte de Portugal, Arouca, sede de um município que abrange uma área de 327 km² e com cerca de 22.359 habitantes é um excelente destino para alguns dias de férias dedicadas à natureza e às atividades ao ar livre.

Arouca Geopark

O concelho de Arouca situa-se no extremo NE do distrito de Aveiro e no interior sul da Área Metropolitana do Porto, da qual faz parte, assumindo, por isso, a situação de fronteira entre o litoral e o interior e as Regiões Norte e Centro de Portugal.

Fazem fronteira com o seu território os municípios Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Santa Maria da Feira, S. Pedro do Sul, Castro Daire, Cinfães, Castelo de Paiva e Gondomar.

Para além da atmosfera excelente que este concelho português oferece, Arouca destaca-se, acima de tudo pelo incrível património natural do seu Geoparque Mundial da UNESCO – o Arouca Geopark.

 

 

Como chegar a Arouca

Não muito longe de eixos viários como a A1 e a A32 (a oeste), a A4 (a norte), a A24 e a A25 (a sul), Arouca fica a uma hora de carro das cidades de Aveiro e do Porto, a cerca de uma hora e meia das cidades de Coimbra, Viseu e Braga, a praticamente duas horas das cidades da Guarda e de Vila Real, e a três horas de Lisboa.

Depois de deixar as vias principais (autoestradas), as estradas nacionais EN225 e a EN326 são as melhores alternativas para chegar ao concelho de Arouca.

Sentido Norte/Sul

 Autoestrada – A1 - Saída: Santa Maria da Feira / São João da Madeira / Vale de Cambra / Arouca. Após a saída da A1, o tempo estimado de viagem até Arouca é de 40 minutos.

Autoestrada – A32 - Saída: Carregosa / Pindelo / Vale de Cambra / Arouca. Após a saída da A32, o tempo estimado de viagem até Arouca é de 40 minutos.

 

Sentido Sul/Norte

Autoestrada – A1 - Saída: Estarreja / Oliveira de Azeméis / Vale de Cambra / Arouca. Após a saída da A1, o tempo estimado de viagem até Arouca é de 45 minutos.

 

Sentido Este/Oeste

Autoestrada – A25 - Saída: Porto (A1) – Estarreja / Oliveira de Azeméis / Vale de Cambra / Arouca. Após a saída da A25, o tempo estimado de viagem até Arouca Geopark é de 45 minutos.

 

Estrada Nacional – EN225

Cinfães / Castro Daire / Castelo de Paiva. Dependendo do local de partida, o tempo estimado de viagem até Arouca pode variar entre 30 e 60 minutos.

 

 

Onde ficar em Arouca

A melhor seleção de alojamento para férias em Arouca

banner 320x50 pt

 

 

O que fazer em Arouca

Para além dos Famosos Passadiços do Paiva, distinguidos com oWorld Travel Awards em 2016, 2017, 2018 e 2019, ou da Ponte 516 Arouca, existem várias aldeias tradicionais para visitar, estações de biodiversidade, rotas dos Geossítios e imensos Percursos Pedestres para percorrer calmamente e contemplar toda a beleza natural envolvente.

Tudo isto e muito mais espera por si no Concelho de Arouca.

 

Passadiços do Paiva

Passadiços do Paiva

Localizados no concelho de Arouca, os Passadiços do Paiva são um atração natural imperdível da região norte de Portugal.

Em 20 de junho de 2015 iniciou-se a história de sucesso desta espetacular atração natural portuguesa que só nos primeiros dois meses de existência recebeu mais 200 mil visitantes.

Os Passadiços do Paiva, em Arouca, consistem num passadiço de madeira com cerca de 8,7 quilómetros de extensão, construído ao longo da margem esquerda do rio Paiva, na bacia hidrográfica do rio Douro, entre a ponte de Espiunca e a praia fluvial do Areinho, abarcando assim a área conhecida como a Garganta do Paiva, sendo um dos elementos do Geopark Arouca.

Percorrer os Passadiços do Paiva é a garantia de um passeio inesquecível de 8 quilómetros rodeados de paisagens de beleza ímpar, num santuário natural, junto a descidas de águas bravas, cristais de quartzo e espécies em extinção na Europa.

O percurso estende-se entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, encontrando-se, entre as duas, a praia do Vau. Uma viagem pela biologia, geologia e arqueologia que ficará, com certeza, no coração, na alma e na mente de qualquer apaixonado pela natureza.

O incrível sucesso dos passadiços sofreu, contudo, um revés em setembro de 2015, altura em que um incêndio florestal na freguesia de Canelas e Espiunca afetou cerca de 600 metros de passadiço, o que levou ao encerramento provisório do mesmo.

Os Passadiços do Paiva reabriram em fevereiro de 2016 com nova escadaria e condições melhoradas. A entrada passou a ser limitada e paga, mas existe, no entanto, um troço com cerca de um quilómetro de livre acesso.

Até ao alto da garganta do Paiva, nasceu nova escadaria, com 150 a 200 metros de altura que eliminou um ponto fraco dos Passadiços do Paiva que era o caminho em terra por um eucaliptal de um quilómetro. A ligação foi encurtada para cerca de 250 metros e volta-se para o rio.

O meio do percurso ganhou casas de banho (pré-fabricadas), na praia fluvial do Vau. A de Espiunca, no início, passou a ter zona de estacionamento para mais de 400 carros, em terrenos agrícolas arrendados.

Em 11 de agosto de 2016, um novo incêndio florestal obrigou o seu encerramento até dia 19 de agosto de 2016, altura em que foram reabertos ao público, ainda que de forma parcial.

A 13 de abril de 2017, foram reabertos e, para o ano de 2017, com um novo parque de estacionamento e contratou mais controladores de entradas.

 

Ponte 516 Arouca

Ponte 516 Arouca

A ponte 516 Arouca é a maior ponte pedonal suspensa do mundo e está localizada em Arouca, no território UNESCO Arouca Geopark.

A ponte foi batizada «Arouca 516» devido aos seus 516 metros de extensão. Com uma elevação de 175 metros a Ponte 516 Arouca faz a ligação entre as margens do Rio Paiva.

Ao atravessar a ponte, para além de sensações únicas, terá uma vista deslumbrante sobre a Garganta do Paiva e a Cascata das Aguieiras.

O território Arouca Geopark, é reconhecido pela UNESCO como Património Geológico da Humanidade.